CONCEITO DE TEXTO 2

Título

Data

Compartilhamento

SEMANA 1- CONCEITO DE TEXTO 2

15/09/2011 13:30:34

Totalmente Compartilhado

Texto
Conceito: O artigo fala sobre o conceito de texto baseado em “O prazer do texto”, de Roland Barthes. Segundo este escritor o texto é uma textura… que é trabalhada pelo autor e pelo leitor e ambos encontrarão o prazer no texto; e este é forma, que é dada pelo escritor, sendo função do leitor atribuir o sentido ao texto.  O texto possui cinco vozes que correspondem aos nossos sentidos e cabe ao leitor encontrá-las e… deve-se fragmentar o objeto analisado…. há ainda uma sexta voz que é a experiência do leitor, ou seja, cinco códigos e seis vozes. A voz da empiria ou proairético, refere-se ao mundo da experiência, do contexto, esse é o código das ações; a segunda, é a voz da pessoa ou sêmica, ou seja, sentido, significado, é o código que cuida do significado. A terceira voz é a da verdade, ou seja, hermenêutica, que trabalha com o símbolo, ou seja, com aquilo que não está explícito. A quarta voz é a do símbolo, que é a representação de alguma coisa da qual se quer falar; a quinta é a voz da ciência ou voz cultural que é o conhecimento. E por última a voz do leitor anônimo que não possui código, é subjetiva, ou seja, varia de acordo com o leitor no seu momento. Segundo, ainda, Barthes, o texto é algo plural e a sua interpretação também será. O texto está sempre mudando e suscitando dele outros textos, ou seja, o texto está sempre em metamorfose e por isso cria infinitas possibilidades de significação.

Referências Bibliográficas

BARTHES, ROLAND. Le plaisir du texte, Editions du Seuil: Paris, 1973.

BARTHES, ROLAND. “O Prazer do Texto’’”. Perspectiva, 2002

http://www.estacio.br/rededeletras/numero19/allons_enfant/texto2.asp

http://pt.wikipedia.org/wiki/Roland_Barthes#Alguns_conceitos_centrais_em_sua_obra

Contextualização:

Artigo de Maria Paula Seixas da Silva, 7° período de Letras- campus Niterói.

Roland Barthes

Nascimento 12 de Novembro de 1915
Cherbourg
Morte 26 de Março de 1980
Paris
Nacionalidade Francês
Ocupação Filósofo, semiólogo, crítico literário
Influências

Influências[Esconder]

Michelet, Lévi-Strauss, Valéry, Saussure, Marx, Bataille, Lacan, Foucault, Deleuze

Influenciados

Influenciados[Expandir]

Escola/tradição Estruturalismo, Pós-estruturalismo, Semiótica
Principais interesses Teoria da Literatura, Semiótica
Ideias notáveis morte do autor, grau zero da escrita, escritor/escrevente, um dos fundadores da semiologia

Apreciação do Conceito:

Quem atribui significado ao texto é o leitor, entretanto, o texto continua a existir mesmo que este significado não ocorra. Um texto é escrito com uma finalidade e leitores específicos. Lógico que o escritor tem que dominar o código escrito de uma comunidade constituída de poucas pessoas ou várias pessoas para que o texto seja considerado um texto, senão serão apenas rabiscos ilegíveis para qualquer leitor da terra.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s